Bolsonaro pede ao TSE impugnação de pesquisa Datafolha

0
913

 

“A pretensão do aplicador do questionário é tão-somente alegar que o representante foi denunciado, e não a obtenção da opinião do eleitor”, afirma o pedido de impugnação da pesquisa

 

Foto: Facebook/Jair Messias Bolsonaro

 

O Globo

RIO — Pré-candidato à Presidência da República, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a impugnação de pesquisa Datafolha, de intenção de voto, cuja divulgação está prevista para esta quarta-feira.

A representação afirma que o Datafolha atribui a Bolsonaro “a pecha de denunciado por enriquecimento ilícito”, embora ele não tenha sido alvo de ação do Ministério Público. E também acusa a pesquisa de colocar em dúvida a imparcialidade do Judiciário no caso da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Uma das perguntas no alvo da defesa do deputado é a seguinte: “Você tomou conhecimento sobre denúncias envolvendo o aumento do patrimônio da família do deputado Jair Bolsonaro desde o início da sua carreira política?”.

Matéria publicada pelo jornal “Folha de S.Paulo” no início deste mês mostra que Bolsonaro e seus três filhos que exercem mandato são donos de 13 imóveis com preço de mercado de pelo menos R$ 15 milhões. Levantamento feito pelo jornal em cartórios identificou que os principais apartamentos e casas, comprados nos últimos dez anos, registram preço de aquisição bem abaixo da avaliação da Prefeitura do Rio à época.

A representação protocolada no TSE afirma que o deputado nunca foi denunciado em razão de acréscimo de patrimônio. Em 2015, a Procuradoria-Geral da República recebeu uma denúncia questionando os valores informados por Bolsonaro em relação às suas duas casas na Barra da Tijuca, no Rio. O então procurador-geral Rodrigo Janot mandou arquivar o expediente dizendo que valores eram os mesmos do Imposto de Renda. Janot alegou se tratar de denúncia anônima sem “elementos indiciários mínimos” de ilícito.

PUBLICIDADE

“Pior do que a falsa afirmação é a constatação de que a pretensão do aplicador do questionário é tão-somente alegar que o representante foi denunciado, e não a obtenção da opinião do eleitor”, afirma o pedido de impugnação da pesquisa.

Os advogados de Bolsonaro também afirmam que a pesquisa é tendenciosa em relação a Lula. Uma das perguntas citadas é a seguinte: “Na sua opinião, o ex-presidente Lula: 1) sabia da corrupção em seu governo e deixou que ela ocorresse, 2) sabia da corrupção mas não poderia fazer nada para evitá-la ou 3) ele não sabia da corrupção em seu governo? 4) Não sabe”

Segundo a representação, esse questionamento sugestiona o entendimento de que a condenação do petista se deu por ter o ex-presidente permitido que se praticassem atos de corrupção no curso do seu governo. “A sentença e o acordão condenatórios tratam de situação diversa, qual seja, a participação direta e o recebimento de benefícios pessoais em face de corrupção e outros ilícitos praticados pelo sujeito em questão. Todos esses fatos somados induzem ao abrandamento das condutas praticadas pelo Ex-Presidente, que emerge como vítima de um sistema parcial e perseguidor”, diz trecho do documento.

Deixar um comentário

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui