Bolsonaro defende CLT diferente para trabalhador rural, com menos direitos

0
808

“O homem do campo não pode parar no Carnaval, sábado, domingo e feriado. A planta vai estragar, ele tem que colher”, disse o presidenciável

 

Foto: Reprodução/Roda Viva

 

Folha UOl

 

Num instante em que alguns presidenciáveis pregam a revisão da reforma trabalhista aprovada sob Michel Temer, Jair Bolsonaro manifesta o desejo de aprofundar as mudanças. Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, nesta segunda (30), o candidato defendeu a adoção de uma CLT “diferente” para os trabalhadores rurais, com menos direitos que os de empregados urbanos.

Questionado sobre como planeja lidar com o problema do desemprego no campo se for eleito, Bolsonaro disse que “é difícil ser patrão no Brasil. Eu podia ter uma microempresa no Rio. Dadas as condições que existem na lei, você é desestimulado. Acho que no campo a CLT tinha que ser diferente. O homem do campo não pode parar no Carnaval, sábado, domingo e feriado. A planta vai estragar, ele tem que colher. E fica oneroso demais o homem do campo observar essas folgas nessas datas, como existe na área urbana”, afirmou.

A posição de Bolsonaro soou no último bloco da entrevista. Pode ser conferida no vídeo abaixo, na altura de 1h16min24s. O candidato também declarou que o empreendedor rural enfrenta outras “dificuldades” além da legislação trabalhista. Mencionou as multas “excessivas” impostas pelo Ibama e as normas fixadas pela CTNBio, a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança.

Sobre a crescente substituição da mão de obra pelas máquinas, Bolsonaro declarou: “Essas pessoas têm que ser treinadas para fazer outra coisa.” Num país que ainda convive com o trabalho em condições análogas às da escravidão, o entrevistado revelou-se partidário da tese segundo a qual o melhor que o Estado pode fazer na área trabalhista é se retirar de cena: “Se o governo não atrapalhar o empreendedor e o trabalhador com essa legislação enorme e com fiscalizações absurdas, com toda a certeza melhoraremos a questão do desemprego no Brasil”.

A pregação ultraliberal de Bolsonaro a favor da supressão de direitos dos trabalhadores rurais foi a única novidade relevante extraída do candidato em uma hora e vinte minutos de entrevista. Ele já havia expressado sua aversão à CLT noutras oportunidades. “É melhor menos direitos e emprego do que todos os direitos e desemprego”, dissera. Mas era desconhecida sua disposição de impor tratamento mais draconiano ao empregado rural, praticamente extinguindo o chamado repouso remunerado.

No mais, Bolsonaro aproveitou o palco para reforçar estereótipos que lhe renderam a primeira colocação nas pesquisas, nos cenários sem Lula. Pressionou teclas coisas como a aversão ao sistema de cotas para negros em universidades e concursos públicos, a liberação indiscriminada do porte de armas, a defesa do extermínio de bandidos por policiais, os elogios ao presidente americano Donald Trump, a crítica à falta do voto impresso, a admissão de sua dependência em relação ao economista Paulo ‘Posto Ipiranga’ Guedes, a classificação dos militantes do MST como “terroristas”, a apologia da ditadura e um extenso etcétera que seu eleitorado adora ouvir.

Deixar um comentário

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui