Voto a candidatos do PT resiste no interior do país

0
183

 

Segundo o cientista político Carlos Melo, a migração do voto petista de cidades menores e mais pobres é reflexo da recessão econômica, sobretudo, na vida dos mais humildes

 

A cidade de São José do Egito, localizada no Sertão de Pernambuco, teve uma votação expressiva pro candidato Fernando Haddad (PT). Foto: Blog do Cauê Rodrigues.

 

Estadão

 

O PT, partido que nasceu nos grandes centros urbanos do país e cresceu junto à classe operária, vê hoje o desempenho desidratar mais nas cidades médias e grandes. Nos municípios com mais de 100 mil eleitores, o partido perdeu, em 2018, metade do eleitorado conquistado na média histórica de 2002 a 2014. Nas localidades com menos de 20 mil votantes, o recuo foi bem menor, cerca de 15%.

Quanto maior o porte do município, maior foi a perda de participação no total de votos válidos. Na faixa de cidades com 20 mil a 50 mil eleitores, o presidenciável petista Fernando Haddad teve recuo de 23%. Nas localidades com eleitorado de 50 mil a 100 mil, a queda foi de 41%. Acima disso, a perda média foi de 52%.

Na comparação com o desempenho médio de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, Haddad teve menor proporção de votos em 4.201 municípios, ou seja, três em cada quatro das cidades brasileiras. Ele conseguiu superar ou igualar os antecessores em 1.369 municípios (25% do total).

Em 183 localidades, por outro lado, Haddad bateu o recorde histórico entre presidenciáveis petistas – isso equivale a 3% dos municípios brasileiros. São cidades pequenas, cujo eleitorado não ultrapassa 10 mil – 153 delas estão localizadas no Nordeste. Neste nicho, o petista obteve 70% dos votos, patamar não alcançado nem nas eleições de Lula e Dilma.

A migração do voto petista de cidades menores e mais pobres, na avaliação do cientista político Carlos Melo, do Insper, é reflexo da recessão econômica na vida dos brasileiros, especialmente os de origem mais humilde. “O eleitor sempre vota de acordo com a sua realidade. Vota no candidato que acredita ser capaz de lhe trazer vantagens, sejam elas econômicas ou não. Ele é racional em relação a seus interesses e valores”, disse.

Desde 2006, existe uma relação inversa entre o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos municípios e o voto de seus eleitores em candidatos petistas. O PT tem melhor desempenho nas localidades mais pobres. Isso ocorre no Brasil inteiro, mas a intensidade do fenômeno é marcada pela geografia. No Nordeste, região em que Haddad teve melhor desempenho, Jair Bolsonaro (PSL) teve melhor votação nas capitais, onde o IDH é maior, que no interior.

Já o apoio do Sudeste hoje deixa de ser realidade, na avaliação do professor da USP Lincoln Secco. “O PT, no passado, conseguiu os votos da direita que apoia governos populistas. É o espectro que consegue disputar com a esquerda nas camadas populares. Hoje essa figura está concentrada no Bolsonaro.”

O professor Aldo Fornazieri, da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, atribui a tendência aos trabalhadores do setor de serviços, predominantes em grandes cidades e mais afetados pela crise. “Essas famílias procuram uma perspectiva de mudança.”

São Paulo

Mesmo dentro dos Estados, a relação inversa entre IDH e votos petistas se mantém. Na capital paulista, Haddad teve um desempenho melhor em algumas das zonas eleitorais com menor IDH – caso de Parelheiros, no extremo sul, que tem o segundo menor índice de desenvolvimento humano da cidade. Lá, quem depende dos serviços públicos tende a apoiar candidatos petistas.

A ambulante Maria Marques da Silva, de 50 anos, que vende cachorro-quente em frente ao inacabado Hospital Municipal de Parelheiros – obra iniciada na gestão Haddad – foi eleitora de Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Lava Jato, e afirmou que votaria de novo no petista. “O PT ajuda mais quem é da periferia. Eu sempre votei no Lula e votaria de novo se pudesse.” /

Teodoro Sampaio

No município de Teodoro Sampaio (BA), a 96 km de Salvador, achar algum eleitor que não seja admirador do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do PT é tarefa difícil. Do bêbado do bar da praça central ao agricultor montado em uma égua, a ampla maioria faz questão de manifestar o voto “no candidato do Lula” ao primeiro sinal de que a política é o tema do bate-papo.

“O nordestino é PT. O povo é Lula doente, porque gosta de ter moto, carro, pobre também gosta de estudar”, disse a comerciante Ana Clara dos Santos, de 48 anos. Ela diz que até conhece “um ou outro” teodorense que votou em Bolsonaro “porque o PT se estacionou muito e não cuidou do desemprego e da segurança”, mas esse eleitor é artigo raro na cidade.

Na cidade de 7.895 habitantes, conforme o IBGE, e uma economia baseada exclusivamente na agricultura – 345.º PIB entre os 417 municípios da Bahia, e com IDH baixo (0,594) – o candidato do PT Fernando Haddad, teve 81,98% dos votos válidos, contra 7,33% de Jair Bolsonaro (PSL) e 5,47% de Ciro Gomes (PDT).

A vantagem do petista é explicada em poucos minutos e econômicas palavras por gente como o aposentado Nelson Pereira Costa, de 58 anos: “Lula deu muitas condições para a gente que é fraco, ele deu as coisas a nós”. “Eu voto no PT porque ele dá condições ao pobre. Não voto no Haddad, eu voto é no PT, no Lula, no 13”, completa o aposentado Wilson Vaz da Silva, cadeirante, de 47 anos.

Pelo menos em Teodoro Sampaio a tensão entre petistas e bolsonaristas não chegou. Mas manifestações como a de apoiadores de Bolsonaro oferecendo capim a nordestinos repercutem até mesmo nos grotões. “A gente não é cavalo, não é boi, como eles pensam” lamenta o vaqueiro José Costa, de 28 anos.

A reportagem conversou com mais de 20 pessoas da cidade durante a sexta-feira, em pleno feriado de 12 de outubro, entre entrevistas e pedidos de informação, até encontrar um eleitor que não fosse do PT. Era José Ives Cerqueira, de 49, conhecido como Ives da Câmara por causa do trabalho que exerce na Câmara Municipal, que votou no Bolsonaro.

Filho de um ex-vereador do MDB da década de 1970 e eleitor do PSDB, ele recorreu ao problema da segurança para justificar o voto no presidenciável do PSL. E criticou o PT por supostamente tentar “implantar nas escolas infantis” o que os bolsonaristas chamam de “kit gay”, um livro sobre orientação de gênero que a bancada evangélica criticou quando Haddad era ministro da Educação de Dilma Rousseff (PT).

Ives viu a informação no WhatsApp e no Google, que ele afirma usar, assim como a TV, para ficar por dentro das notícias. É por esses meios que chegam até ele, também, os discursos do candidato sobre gays, negros e mulheres. Ives, no entanto, diz que não acredita “que ele vá matar ‘viado’, como estão dizendo por aí”. Para ele, o que importa “é que Bolsonaro tem projeto para resolver o que estamos vivendo na segurança”. “Ele tem a palavra dura que as pessoas não gostam de ouvir”, acredita o homem.

Ives foi um dos 335 teodorenses que depositaram o voto candidato do PSL – no município, Haddad teve 3.749 sufrágios e Ciro Gomes 250. Na média da Bahia, Haddad teve 60,28% dos votos, contra 23 41% de Bolsonaro nas eleições 2018. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixar um comentário

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui