Ministério da Defesa sofrerá contingenciamento de 43% no orçamento

0
163

O governo atribui o corte a um processo de equalização orçamentária em adequação à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)

(Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Correio Braziliense

Ministério da Defesa sofrerá contingenciamento de 43% no orçamento. A decisão foi avisada, nesta terça (8), ao Alto Comando das Forças Armadas, em reunião com o presidente Jair Bolsonaro. O governo atribui o corte a um processo de equalização orçamentária disseminado na Esplanada dos Ministérios em adequação à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

A medida não agradou à alta cúpula militar. Oficiais criticam que, proporcionalmente, é o maior contingenciamento feito por um governo. Recai, sobretudo, a reclamação de a ação ser feita em uma gestão repleta de militares e gerida por um presidente com origem militar. O Palácio do Planalto garante, contudo, que não serão apenas as Forças Armadas a sofrerem cortes.

O orçamento das Forças Armadas é sempre muito restrito, admitiu ontem o porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros. Sobretudo nas ações de investimentos. “O custeio demanda quantidade substancial daquilo que é destinado pelo Tesouro, nos restando muito pouco naquilo que entendemos como essencial para dar continuidade ao nosso avanço tecnológico”, reconheceu.

A decisão do corte, entretanto, está dentro de um contexto traçado pelo Ministério da Economia, explicou Barros. “A administração pública entende que é possível (o contingenciamento) neste momento, para que, em um futuro, com a aprovação da Nova Previdência e outras ações estruturantes, o governo, de maneira geral, possa reacomodar esse orçamento não apenas no ministério da Defesa, mas em todas as outras pastas”, ponderou.

Deixar um comentário

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui