Moro demonstra a parlamentares decepção com sanção a juiz das garantias

0
408

Parlamentares avaliam que Moro entrou em terreno pantanoso e como, resposta, recebeu recado de quem é que manda

Foto: Sérgio Lima / PODER 360

Painel – UOL


Logo após Jair Bolsonaro sancionar o juiz das garantias, Sergio Moro disparou mensagens e demonstrou estar decepcionado. Para a cúpula do Congresso, o ministro passou por cima de tentativa do presidente de proteger seu filho Flávio e, ao bradar contra a decisão, tentou fazer valer a força de sua popularidade, dando munição à plateia virtual à qual Bolsonaro é tão sensível. Parlamentares avaliam que Moro entrou em terreno pantanoso e como, resposta, recebeu recado de quem é que manda.

Teus sinais Senadores alinhados ao ministro avaliam que Bolsonaro agiu de caso pensado para enfraquecer Moro ao manter trecho para o qual ele defendia o veto. A sombra do ex-juiz, que tem 53% de ótimo/bom contra 30% do presidente, no Datafolha, incomodaria o mandatário, que teme uma ameaça em 2022.

Colheita Bolsonaro segue alvo de ataque nas redes sociais por causa de sua decisão. A resposta do presidente a um internauta no Facebook, em que diz ser inconstitucional a lei que ele próprio sancionou, surpreendeu ministros do STF, parlamentares e inquilinos do Planalto.

Não segura a onda Deputados entendem que, com a mensagem, Bolsonaro acenou a seu eleitorado na tentativa de se blindar de ainda mais críticas. Dizem que, se realmente pensasse que o trecho fere a Carta, bastaria tê-lo vetado.

Não segura a onda 2 Apesar de críticos ao juiz das garantias, até mesmo auxiliares jurídicos do presidente acreditam que a figura está nos limites da Constituição.

Foice Senadores que vão brigar no Supremo pela inconstitucionalidade da medida alegam que houve invasão do Legislativo em uma competência exclusiva do Judiciário. A ação, porém, enfrentará resistências no Supremo. Ao menos cinco ministros da corte são a favor da lei.

Dono da bola A tentativa de o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) regulamentar a aplicação da criação do juiz de garantias não é um consenso entre atuais e ex-ministros de tribunais superiores. Para Marco Aurelio, do STF, cabe ao governo editar um decreto estabelecendo os limites da atuação dos magistrados.

Dono da bola 2 Gilson Dipp, ex-presidente do STJ, acredita que é atribuição do Congresso editar nova lei prevendo os efeitos da atuação da atuação da nova figura jurídica.

Deixar um comentário

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui